Município de Alvaiázere

Apresentação

Alvaiázere, vila e concelho, deve o seu nome aos árabes. Com efeito, quando esses povos invadiram a Península Ibérica, no ano de 711, logo se apoderaram de grande parte do actual território nacional. Foi o caso de Alvaiázere, a quem baptizaram de Al-Bai-Zir ou Alva-Varze, de acordo com as diferentes opiniões expressas.

Apesar da voracidade dos séculos, o concelho não perdeu algumas das características que desde sempre teve. Da serra de Alvaiázere, por exemplo, obtêm-se panoramas excelentes. Uma serra altiva e repousante. Um maciço calcário coberto de urzes e pequenas orquídeas floridas. Para nascente, avista-se a planura fértil de Alvaiázere, salpicada de vinhedos, olivais, campos de milho e de alegre casario branco e ocre. Para poente, vê-se o vale do rio Nabão, antecedido de frondosos pinhais. Pelas encostas ouve-se o andar lento dos rebanhos e das cabras.

Em Alvaiázere, a natureza é intensamente verde. Vales e várzeas abraçam dois tranquilos cursos de água, o Nabão e a ribeira de Alge.

Bem tinha razão D. Sancho I quando decidiu repovoar, em 1200 uma terra que vivia então um verdadeiro declínio, dando-lhe foral.

Foi elevada a vila por D. João I, que lhe deu foral em 1338. O seu termo, nesta altura era tão dilatado que abrangia dois priorados, três vigairarias e um corado: os priorados de S. João da Boa Vista e S. Pedro de Rego da Murta, as vigairarias de Pussos, Maçãs de Caminho e Pousaflores e Covado de Almoster.

Em 1435, segundo documentos existentes na Torre do Tombo, D. Duarte doou a vila a sua mulher, a Rainha D. Leonor, passando assim Alvaiázere ao domínio da coroa. D. Manuel deu-lhe foral novo, em 15 de Maio de 1514.

Naquele ano de 1514, não apenas a vila de Alvaiázere recebeu foral novo. Das actuais freguesias do concelho, também Maçãs de D. Maria e Pussos (doravante Vila Nova de Pussos) obtiveram os privilégios decorrentes desse documento. Maçãs de D. Maria, aliás, formou concelho nesse ano, ao mesmo tempo que Avelar, Aguda, Chão de Couce e Pousaflores. Eram as “cinco vilas” e ainda Arega.

Os sinais do passado estão ainda bem evidentes em todo o concelho de Alvaiázere. Aqui, sucedem-se os solares e as quintas senhoriais. Uns setecentistas, outros, mais antigos, exibem bonitas torres de menagem.

Freguesias como Maçãs de D. Maria e Pelmá testemunham a sua antiguidade nos pelourinhos e encantam os panoramas que se contemplam nos adros das suas igrejas matriz.
O espírito religioso deste povo está expresso nas lendas que circulam de pai para filho, oralmente, desde há muitos séculos.

A base económica desta região é a agricultura, como sempre o foi. Os solos férteis, os vales e as várzeas bem irrigados e as encostas cobertas de vinhas e oliveiras, foram importantes auxiliares da sua população.

Evidências do Caminho

O Caminho de Santiago atravessa o concelho de sul a norte numa extensão total de 15 Km, sendo que a estadia em Alvaiázere constitui a sexta etapa do Caminho Português Central.
Alvaiázere tem um notável património natural, sendo que o percurso do Caminho, no concelho, está integrado na mancha do concelho que integra a Rede Natura 2000.
Olivais milenares, pontuados por parcelas de vinhas velhas que constituem atividades agrícolas neste território desde a ancestralidade; a flora autóctone com um sem fim de ervas aromáticas, orquídeas selvagens ou bosques de carvalho-cerquinho, cuja mancha, em Alvaiázere, se assume como a maior e mais bem preservada da Europa; a paisagem cársica, com a Serra de Alvaiázere a impor-se (ponto mais alto do maciço de Sicó), como cenário encorajador para a caminhada exigente, mas não menos prazerosa.
Durante o percurso o peregrino passa em diversos lugares, pictóricos e pitorescos, pela sua identidade: a Quinta da Cortiça, no lugar que lhe dá o nome, a pedra calcária da calçada, do muro de pedra seca ou de alguns edifícios imemoriais, em Outeirinho ou Feteiras. Em Alvaiázere, sede do concelho, se o cansaço não de apoderar da vontade, recomenda-se uma visita ao Museu Municipal, ou simplesmente desfrutar do acolhedor centro urbano da vila sede de concelho.

Contactos da Entidade

Telefone: (+351) 236 650 600/690

Digite acima o seu termo de pesquisa e prima Enter para pesquisar. Prima ESC para cancelar.

Voltar ao topo
X