Município de Pinhel

Apresentação

O concelho de Pinhel fica situado no distrito da Guarda, cerca de 30 quilómetros a Norte da capital de distrito e, também, a 30 quilómetros da fronteira com Espanha. Estende-se por uma área de 480 kms2, tem 18 freguesias e cerca de 8000 habitantes.
Remontam à época da Pré-História os primeiros sinais de presença humana no concelho, fazendo deste território de fronteira um lugar repleto de memórias e encantos.
Os muitos testemunhos artísticos e históricos, dispersos por esta área de planalto atravessada por pequenas ribeiras e pelo rio Côa, conferem-lhe uma diversidade de paisagens que convida os visitantes à descoberta do património e das tradições que constituem a identidade das comunidades locais.

Evidências do Caminho

A identificação dos Caminhos de Santiago, no concelho de Pinhel, carece de um estudo de conjunto que nos esclareça sobre as principais vias do período medieval que atravessam o território e serviam, também, de percurso aos peregrinos que se dirigiam ao santuário de Santiago de Compostela.
Conhecemos alguns percursos que aludem ao período medieval, que ligam as principais localidades, e que, por isso, podem ser identificados como Caminhos peregrinação.
Neste contexto, à semelhança do que acontece noutras áreas geográficas de Portugal, também para o concelho de Pinhel devemos falar de Caminhos de Santiago (plural), pois o peregrino comum fazia, por vezes, pequenos atalhos para encurtar a distância.
Caminhos que, pela proximidade da fronteira com Castela, não seriam apenas utilizados por portugueses. De registar que muitos dos vendedores, que percorriam estes caminhos, eram oriundos daquele reino e de outras partes da Península Ibérica. As crónicas de Fernão Lopes referem, em relação a Bragança, que ali se encontravam muitos almocreves e mercadores castelãos que iam com as suas mercadorias para a festa de Santiago da Galiza.
Por analogia, atendendo a que o território da região de Pinhel tinha uma grande ligação com o outro lado da fronteira, é perfeitamente compreensível que alguns dos comerciantes de Castela que se dirigiam para Santiago de Compostela utilizassem os caminhos que atravessam o concelho de Pinhel em direção a Trancoso e a Lamego. Os mesmos caminhos que também foram e são utilizados por peregrinos.
Na passagem pelas principais localidades, vilas e cidades (onde existiam as hospedarias), era assumido, como regra, que os peregrinos procuravam passar próximo da igreja mais importante, ou da mais antiga, para rezar e pedir alguma proteção divina para a caminhada que era difícil, muito longa e não isenta de perigos vários.
Em Pinhel a igreja mais antiga é a de Santa Maria. Porém, a referência a uma capela de Santiago, no atual largo com o mesmo nome, contiguo à porta de Santiago, virada a Sul, permite-nos inferir que seria provavelmente aí que os peregrinos passariam primeiro, para depois subirem à igreja de Santa Maria e saírem pelas portas de Marialva ou da Vila, em direção a Trancoso.
A identificação dos caminhos agora sugeridos resulta da análise dos dados históricos conhecidos e dos testemunhos materiais, ainda existentes, que evidenciam a passagem de pessoas e bens nesses caminhos ao longo dos tempos.
Caminhos primários que, como se referiu, faziam a ligação entre os principais núcleos urbanos, isto é, as atuais sedes de concelho onde os peregrinos tinham e têm acesso a melhores condições logísticas, sobretudo ao nível da alimentação e hospedagem.
Paralelamente aos caminhos principais existem, também, os caminhos secundários que, apesar de menos estudados, não deixam se ser interessantes. Há que referir que o peregrino fazia, por vezes, pequenos atalhos para chegar mais rápido e “fugir” aos caminhos principais, que também eram percorridos pelos salteadores. Ao nível dos percursos secundários existe, no concelho de Pinhel, uma estrutura arquitetónica, em ruina, que é identificada como a capela de São Gonçalo, na freguesia do Pereiro, muito próximo do rio Côa e que, segundo o professor Doutor Arlindo Magalhães da Universidade Católica Portuguesa, está associada às peregrinações de Santiago (local de passagem do rio num local onde não há uma ponte), mas que constitui um caminho secundário e que oferece maiores dificuldades de atravessamento.

Contactos da Entidade

Morada: Largo Ministro Duarte Pacheco, n.º8 | 6400-358 Pinhel
Telefone: 271 410 000
E-mail: cm-pinhel@cm-pinhel.pt

Publicações úteis

Mapa 3D da Cidade e do Concelho de Pinhel (com marcação do traçado dos Caminhos de Santiago no concelho)

Descobrir e visitar

Folheto Caminhos de Santiago no Vale do Côa

Caminhos de Santiago

“Camino de Torres: Salamanca to Santiago” (Ina Sinclair, 2017) http://caminosantiago.usal.es/torres/?page_id=2064

Contactos úteis

Posto de Turismo de Pinhel – 961 296 796
Câmara Municipal de Pinhel – 271 410 000
Centro de Saúde de Pinhel – 271 410 060
Bombeiros Voluntários de Pinhel – 271 412 211
Guarda Nacional Republicana de Pinhel – 271 410 130
Farmácia Central (Pinhel) – 271 412 528
Farmácia Nova (Pinhel) – 271 411 112
Farmácia Santos (Pinhel) – 271 412 274

Digite acima o seu termo de pesquisa e prima Enter para pesquisar. Prima ESC para cancelar.

Voltar ao topo
X