Município de Tondela

Apresentação

O Município de Tondela, constituído por 19 freguesias, situa-se numa área com 371,2km2, designada por muitos geógrafos como a Beira Central. Esta constitui um extenso planalto, inclinado para sudoeste e retalhado por diversos cursos de água, em grande parte, subsidiários do Mondego, sendo delimitada a sudeste pela serra da Estrela, a poente e ao norte pelas serras do Caramulo e S. Macário e pela parte oriental da serra de Montemuro, enquanto a nordeste se eleva suavemente a serra da Nave e a sul, a roçar o Mondego, a serra do Buçaco.
O Concelho tem como fronteiras administrativas a norte Vouzela e Oliveira de Frades, a nordeste Viseu, a sudeste Carregal do Sal, a sul Santa Comba Dão, a sudoeste Mortágua e a oeste Águeda.
Amadeu Ferraz de Carvalho (1876-1851) descreve geograficamente o Concelho de Tondela nestes termos: “O Concelho de Tondela alarga-se sobre o planalto, abrange parte da vertente oriental do Caramulo e, ultrapassando a serra, ainda se estende pelas terras altas de São João do Monte, sobre a vertente lenta do contorno superior da bacia do Águeda. E deste modo as secções naturais da sua área são: a parte do planalto cortada pelo Dão e seus afluentes Pavia e Dinha; a região deprimida entre o planalto e a serra do Caramulo, drenada pelo Criz e seus afluentes; a parte caramulana, com vertente oriental e a região ocidental elevada no contorno da bacia do Águeda”; e acrescenta “uma extrema bacia, com depósitos quaternário a indicarem pequenos lagos extintos, ladeia a serra do Caramulo: é o Vale de Besteiros”. Este vale, que integra a plataforma do Mondego, é caracterizado pela fraca altitude e pela natureza granítica do substrato rochoso, sendo que a referência aplanada do território oscila numa cota entre os 100 e 150m, devido aos entalhes do rio Mondego e respetivos afluentes. A paisagem é pouco profunda, onde sobressaem os vales sinuosos, cujos topos são planos ou ligeiramente arredondados.
É neste contexto que a região de Tondela aparece como um dos principais focos de vestígios arqueológicos, que nos permitem situar em diferentes cenários a vida das populações pré-históricas. É através destes vestígios que poderemos tentar compreender o “modus vivendi” dos habitantes que, desde sempre vão suscitando a curiosidade dos investigadores. Percorrer o Concelho de Tondela, é verdadeiramente partir à descoberta da história nas suas mais belas vertentes, a arte, as paisagens e as gentes, pois em cada lugar existem marcas de outros tempos dignas de serem admiradas: imponentes solares com as suas belíssimas pedras de armas, igrejas, capelas, pontes, moinhos de água e os Paços do Concelho, cujo átrio é composto por um conjunto de azulejos de Pedro de Figueiredo de 1933. Na fachada principal encontram-se as armas de D. Luís, encimadas pela coroa real, fechada e envolta pela cercadura de ramos. A data provável da construção do edifício remonta a 1872. No século XX e XXI, sofreu obras de recuperação, de remodelação e ampliação.

Evidências do Caminho

O Município de Tondela integra dois caminhos culturais, designadamente o Caminho de Santiago Caramulo e Vale do Vouga e o Caminho Português Interior de Santiago Coimbra-Viseu, com 25km e 23km de respetivamente no território de Tondela. Tratam-se de dois percursos lineares, de caraterísticas medievais, contudo, face à evolução dos tempos, sofreram algumas alterações que não lhes retiraram o simbolismo associado.
Destacamos, no caminho que liga Viseu a Albergaria a Velha (Caramulo-Vale do Vouga), a Igreja de São Tiago, orago da freguesia de Santiago de Besteiros. É um templo de grandes dimensões que sucedeu a outro, mais pequeno, que se foi degradando ao longo dos tempos. Devido ao risco de desmoronamento, em 1760, o Bispo de Viseu D. Júlio Francisco de Oliveira ordenou a sua demolição e a construção de um novo templo, tendo sido aproveitado muito material do antigo. O novo templo foi iniciado por volta de 1762 e foi obtida licença, da sua bênção, em 1767 (só em 1781 é que ficou em condições de bem servir o culto com a construção da capela – mor).
Na fachada principal da atual Igreja, predomina ainda o movimento barroco, tardio, depurado e de caráter regional, tendo sido seguido o modelo do alçado que o mestre lamecense António Mendes Coutinho traçou para a Igreja dos Irmãos da Ordem Terceira de S. Francisco em Viseu. Acima da porta principal, com moldura de “orelhas” e frontão conopial, ladeado por duas cartelas rococó, abre-se um nicho, com a referida data de 1762, onde se encontra uma imagem do patrono da freguesia, São Tiago, de pedra policromada, dos séculos XV-XVI. A fachada é coroada por um frontão alteado, onde insere um óculo em forma de trevo, sendo terminado por uma concha rococó invertida.
O Caminho Português Interior de Santiago Coimbra-Viseu, também se encontra integrado no Concelho de Tondela, com algumas referências bibliográficas sobre a sua passagem. Segundo Francisco Rodriguez Iglesias existem notícias de antigas peregrinações na região do interior. “No século X o muçulmano Al-Istrajri viajou entre Santarém e o Porto, com trânsito por Lamego. No século XII, um outro viajante árabe, de seu nome Edrisi, partiu de Coimbra e dirigiu-se a Braga, passando por Avô e São Miguel de Outeiro, seguindo dali para Vila Boa (Marco de Canaveses), já do outro lado do rio Douro”. Ambos terão seguido um caminho que passava por Lorvão ou nas suas imediações, seguindo a Penacova, Santa Comba Dão, Tondela, São Miguel de Outeiro e Viseu, de onde seguiriam o caminho para o norte.
Em Tondela o caminho seria certamente plano e retilíneo, desviado dos aglomerados populacionais que passando o “Alto do Penhão” (Alto Pendão), continuava para norte atravessando o rio Dinha numa ponte que as inquirições de 1258 referem como “pontem de petrinam sobre o Rivus de Asinis”. Depois, passando o ribeiro de Lobão, chegavam a Santa Ovaia (Canas de Santa Maria) e, posteriormente, a Sabugosa em direção a São Miguel do Outeiro. Passavam as Pedras do Sal (área compreendida entre a Av. de São Mamede a oeste e a N2 a este), deixando para trás a povoação de Póvoa do Arcedíago em direção a São Miguel do Outeiro. Esta povoação é referenciada na viagem de Edrisi no século XII. Deste trajeto destacamos na envolvência do caminho a Capela de São Roque (Saldonas), a Capela de Santo Amaro de Tondela e a Capela de Nossa Senhora das Candeias de Póvoa da Catarina. Templos religiosos cujos oragos estão relacionados com peregrinações, ou seja, S. Roque o Peregrino, Santo Amaro que, segundo as lendas, tratava dos pés dos peregrinos e Nossa Senhora das Candeias padroeira dos barqueiros.

Contactos da Entidade

Câmara Municipal de Tondela
Largo da República, 16
3464-001 Tondela
Tel.: 232 81 11 10
website: www.cm-tondela.pt
Email: geral@cm-tondela.pt

Informação útil ao peregrino

Albergue de São Tiago (Santiago de Besteiros) – 40°34’52.39″N / 8° 7’47.59″W
Caminho integrante: “Caramulo e Vale do Vouga” – Ligação entre o “Caminho Interior Português e “Caminho Central Português”
Entidade gestora: Junta de Freguesia de Santiago de Besteiros
Estado atual: aberto – após contacto

Publicações úteis

Ano Jacobeu 2021-2022 (cm-tondela.pt)

Ferramentas digitais

Contactos úteis

Câmara Municipal de Tondela: (+351) 232 811 110
Posto de Turismo de Tondela: (+351) 918656777
Posto de Turismo do Caramulo: (+351) 232 861 437
Albergue de São Tiago (Santiago de Besteiros): (+351) 925493751/2/3
Hospital Cândido de Figueiredo: (+351) 232 819 060
Bombeiros Voluntários de Tondela (+351) 232 814 112
GNR: (+351) 232 819 370

Digite acima o seu termo de pesquisa e prima Enter para pesquisar. Prima ESC para cancelar.

Voltar ao topo
X